Terça-feira, 18 de Outubro de 2005

XIV Capítulo " A Aceitação da Felicidade "

Depois duma fatigante segunda-feira de trabalho cheia de testes de programação em computadores novos e com o pensamento no doce domingo dedicado a Afrodite e com a cabeça no dia do Santo Casamenteiro para data da minha boda com a minha preciosa princesa quando recebo não uma chamda mas uma sms do meu idoso amigo que sentia necessidade de se encontrar comigo na Fnac.
Me pus a pensar o que o meu amigo Pedro queria dizer de tão importante naquela fastidiosa segunda-feira cheia de trabalho e eu so queria era uma massagem da minha rainha de tesouros escondidos no roupeiro que são óleos com aromas doces como morango ou chocolate
Mas apesar da fadiga do dia de trabalho, mal cheguei a estação de comboios do Cais de Sodré segui para a Fnac e ele lá estava, no local do nosso primeiro encontro e eu quase advinhava que eram mais mágoas do seu passado ou das suas sobrinhas. E praticamente acertei quando vi a cara do meu amigo com uma cara tristonha e muito pensativo como quem pensa em algo ou alguem muito distante, confesso que receei pela saúde do meu amigo mas quando cheguei ao pé do meu amigo perguntei-lhe logo como ele estava e o meu amigo me respondeu assim:
- Bem, mas triste com coisas do passado.
- Que cois meu amigo, aquilo das suas sobrinhas ?
- Sim
- Mas esteja descansado que nada acontecerá de mal as suas sobrinhas, por isso se escusa de preocupar.
- Não é por esse motivo que estou assim mas pensava que esses assunto estava esquecido.
- Pedro a minha sábia mãe me ensinou que o caminho para felicidade é doloroso e quando temos a felicidade só a temos que a aceitar.
- E a tua mãe tem razão mas pensava que esse maldito assunto era assunto esquecido até aquelas duas aves raras as chatearem.
- E a minha pasta que o digo; pobre pasta que foi parar a cabeça dum dos cromos.
- Mas eles já não oferecem perigo, a mocada com a mala os fez esquecer.
- De certeza amigo Pedro ?
- Sim, de certeza. Perguntei aos dois cromos e a um amigo meu que é polícia no comando distrital e tem acesso as queixas.
- Mas já lhe disse que nada de mal vai acontecer as suas sobrinhas e o que era o quelaquer pessoa fazia no lugar delas e elas são benvindas no mágico casamento entre eu e a minha imperatriz dos rios de mel e leite de Afrodite assim como a sua família. è que depois de vos conhecer ganharam lugar no nosso coração como amigos leais.
- Obrigado pelo convite e pelo elogio, fico bastante sensabilizado, e para quando queres marcar o teu dia mágico ?
- Para o dia de Santo de António para seremos abençoado pelo padroeiro dos casamentos.
- Eterno romântico que tu és, e quando vais dizer a tua rainha a tua ideia sobre a data do princípio do nirvana do aceitar da vossa felicidade.
- Na próxima folga semanal mas num momento especial.
- Sim esses momentos são mágicos.
E uma luz mágica possuiu o meu amigo Pedro que ficou como uma outra pessoa com um sorriso brilhante e luminoso como eu fosse ele quando o meu idoso amigo conhecesse a sua amada Claúdia e logo a seguir Pedro me pediu para eu marcar o dia mais mágico da minha vida e da da vida da minha doce Catrina e lhe contasse a ideia da marcação da data do dia da magia suprema num sitio romântico.
Me despedi dum muito mais contente Pedro do quando encontrei e fui a passo de corrida até a rosa do meu coração a convidar para um jantar especial para macar o dia em nos tornariamos uma unisa e só pessoa abençoados pelo Santo Casamenteiro.
Toquei a campaínha da porta da minha amda e ela me recebeu com um beijo ardente como o sol do meio-dia num verão dum deserto que fez logo voar para outras sensações como tivesse passado por um portal interdimensional e após tão dose e calorosa recepção, a minha dulcíssima impertriz dos rios de leite e mel do nosso amor me perguntou qual o motivo da visita surpresa e eu lhe disse que queria marcar um jantar especial a dois, à luz de velas. E entre beijos mais quentes que as chamas de do reino de Hefestos a minha doce rainha perguntou:
- Meu doce Afonso qual o motivo do jantar a dois.
- É uma surpresa para ti amor e caso te contasse deixava de ser surpresa, so te te posso dizer que poderá ter centelhas de magia.
- Hum meu imperador me estás deixar expectante e aonde vai ser esse jantar magicamente romântico, em algumas das nossas casas ?
- Minha princesa a ocasião merece algo diferente. Podiamos ir aquele restaurante japonês que fica junto ao Campo das Cebolas, e como conheço o gerente ele me arranja um recanto sossegado no restaurante dele, aceitas minha deusa ?
- Aceito sim e pode ser na véspera da minha folga semanal ?
- Advinhaste os meus pensamentos minha rosa, eu alterei a data da minha folga semanal de forma a coincidir com a tua folga semanal assim temos a noite por nossa conta.
E os dias foram passando, passando até a mágica quarta feira dos inicios do mês das Flores e de Maria em que ia fazer a mais mágica surpresa da vida da minha amada Cathy e marquei o nosso encontro para as 19:30 e a essa hora passei a porta da casa da minha rainha e resolvemos tomar o nosso transporte favorito e nos transportamos nos ardentes ósculos de Afrodite até ao elevador da Bica donde depois apanhariamos o elétrico até ao restaurante, mas quase o elevador pegava fogo tal era o calor dos nossos beijos e nos ardentes beijos fomos transportados até paragem do elétrico e esperamos aos doces e ardentes beijos esperamos pelo elétrico e só fomos interrompidos pela campaínha do elétrico que queria afastar um carro que estava em cima da linha.
Apanhamos o elétrico e admiravamos as luzes da noite e apanhammos com a luz de Afrodite em cheio e os beijos ardentes nos voltaram a invadir com um fogo como invade feno, escaldante como o calor do sol do meio dia dum deserto que incenera a areia desse mesmo deserto e o calor e o amor dos beijos era tão forte que por um cintilar duma estrela não perdiamos a paragem próxima do restaurante.
Saimos e tinhamos a nossa espera no restaurante uma mesa para dois com velas e como começo de refeição tivemos um ritual de chá muito requintado e igualmente romântico; o jantar foi o tradicional sushi e bebemos um sumo de kumquat e antes de passamos a sobremesa a minha doce Cathy perguntou:
- Afonsinho, meu docinho aonde está a tua surpresa porque este jantar está a ser um sonho .
- Bem minha flor de morango com chocolate a surpresa é que queria marcar a data do nosso casamento para dia 13 de Junho.
E a resposta foi um vulcânico beijo como as lavas do Etna e a minha doce e mui amada Cathy depois de de quase me tirar o fôlego disse:
- Meu doce dulcíssimo vamos já amanhã tratar da marcação da data mais mágica das nossas vidas. E aonde queres que anossa magia seja abençoada?
- Na igreja dos Jérónimos, gostas da ideia meu amor ?
- Nem esperava dessa tua surpresa meu amor, meu docinho e sim gosto da ideia.
Entretanto veio a nossa sobremesa que era souflé de chá verde com chocolate branco que foi comido no meio de beijos solares mais quntes que as lavas dos vulcões de toda a Terra.
Depois que saimos do nosso jantar do sol nascente queriamos dar um final mais luminoso que todas as estrelas do firmamento mas quando vimos hora já não havia elétricos e a mágica Afrordite nos iluminou com mais luz do que no quadro que simboliza o seu nascimento pintado pelo génio italiano Boticcelli e começamos uma insana troca de ósculos ardentes como o sol do meio-dia tropical e a minha dos rios de mel e de leite do amor sem fim entre nós resolveu selar a noite de magia feita com uma festa a dois na minha casa. Durante a viagem de táxi fomos ungidos alguns raios da sempre mágica luz de Afrodite e uma forte flechada de Eros porque mal entramos no táxi e dissemos o destino começamos a nos beijamos insanamente como não houvesse amanhã.
Assim que chegamos ao meu cantinho a beira-Amoreiras plantado o taxista interrompeu a sessão de insana troca de ardentes ósculos só para dizer que ja tinhamos chegado ao nosso destino, o nosso ninho de amor que tinha o nosso sol privativo por Afrodite feito pronto a nos antigir com a sua luz sagrada e quente e no ninho do amor entramos e a quente luz do Sol sagrado de Afordite nos ungia com calor doce como o mel dos rios de mel e leite da Terra Prometida e quente como o sol do meio-dia dum verão sem fim dos trópicos de Carnaguejo e Capricórnio fundidos num só, e esse calor doce quente uniu-nos num único ser numa festa dedicada a Afrodite onde o seu fiel servo Eros nos flechou infinitas vezes e onde os nossos sentidos se uniram em infinitas delícias ungidos pelo sol do meio-dia eterno feito por Afrodite para nos aquecer e nos fazer amar com toda a plenitude e com as infinitas flechas de Eros e com a energia do sol de Afrodite subimos bem além da sétima esfera solar, para além do sétimo céu.
Foi a aceitação da felicidade.
publicado por tron às 22:53

link do post | Os vossos suspiros | ver suspiros (3) | favorito
|
Domingo, 2 de Outubro de 2005

XIII Capítulo " Doce Domingo "

Eu e a imperial rainha do meu coração dormimos agarradinhos um ao outro até a hora do do sol alto após nos termos entregue um ao outro na festa de Afrodite na pelnitude dos mais doces sentidos.
Mas parecia que o fogo do amor não se tinha extinguido na escaldante noite de amor porque quando fomos tomar um retemprador, o nosso calor quse evaporava a água do chuveiro e então resolvemos mudar para um banho de espuma e a Deusa do Amor encarnou em nós de tal forma que nss primeira refeição desse doce domingo foi o almoço, uma deliciosa picanha com molho de natas e batatas fritas e para beber uma vitamina para sobremesa, muitos beijos e gelado de chocolate com nozes. A doçura infinita daquele domingo continuou porque depois fomos dar um passeio transportado nos nossos beijos que so foi interropido por uma chamda de D. Cristiana, minha mãe.
- Meu filho ontem passaste a noite fora e deixaste a mim e ao teu pai preocupados.
- Mil desculpas por não avisar mas estou bem e estive entregue em boas mãos, em mãos mãos dulcíssimas.
- Nas mãos da Catarina, não ?
- Sim.
- Então estiveste bem entregue, muito bem entregue.
- Estive pois.
Para adoçar mais esse domingo já de si doce a minha princesa preciosa se lembrou de irmos jantar a minha casa e lógico que aceitei mas como ainda era cedo para o jantar retomamos o passeio transpotados nos nossos beijos para dar um ar mais romantico resolvemoos dar dar um passeio de elétrico pela Lisboa antiga e apanhamos o 28 no Largo do Camões.
E pela longa viagem que fazia recordar a infância da minha rainha fomos trocando beijos e carícias que quase nem dávamos pelo terminal dos eléctricos no Martim Moniz donde depois seguiriamos para minha casa.
A minha rainha deu a ideia que o jantar fosse peixe devido ao nosso almoço ter sido um lauto prato de carne e não lhe apetecia comer carne de novo e pensando nisso liguei para dona Cristiana.
- Sim meu filho ?
- Mãe poderias fazer peixe para o jantar e faz a contar com a Catarina por favor.
- Por acaso o jantar hoje que vou fazer é peixe, pescada grelhada com molho grego, e tens uma visita surpresa para ti.
- Quem é mãe ?
- A pessoa em causa me pediu para não te dizer .
- Está bem mãe não insisto mais sobre a visita surpresa.
Embora eu desconfiasse logo do meu amigo Pedro mas quis manter a surpresa e a minha suspeita se confirmou; a visita surpresa era o meu idoso amigo que veio com a sua esposa jantar connosco e depois dos cumprimentos da praxe Pedro só disse obrigado. entendei o sentido daquele agradecimento e o jantar decorreu na maior das calmas apesar do jogo de futebol entre Benfica e Braga que corria na televisão havia sempre uma mãozinha malandreca entre eu e a dona do meu coração.
Quando o jantar acabou Pedro e a sua eterna esposa D. Claúdia seguiram para casa e eu fui levar a minha deusa a sua casa e quando chegamos a porta do meu amor começamos logo aos beijos tão escaldantes e violentos que tocamos a campainha com as nossas cabeças e quem abriu a porta foi D. Fernanda, mãe da minha rainha e minha futura sogra que nos apanhou aos beijos e levemente descompostos. Nos composemos dei as boas noites aos pais do meu amor me ofreceram um café e antes de ir para casa dei um beijo bem escaldante ao meu amor, a imperatriz do meu coração e segui para casa quando repetiramos outro domingo cheio de amor e se dia 13 de Junho não seria o dia ideal para nos casarmos.
publicado por tron às 19:05

link do post | Os vossos suspiros | ver suspiros (3) | favorito
|

Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Capítulos

XX Capítulo " Ao Ritmo Da...

XIX Capítulo " O Sobrinho...

XVIII Capítulo " Os Peq...

XVII Capítulo " Os Amigos...

XVI Capítulo " Grandes De...

XV Capítulo " Desleadades...

XIV Capítulo " A Aceitaçã...

XIII Capítulo " Doce Domi...

XII Capítulo " Dolorosas ...

XI Capítulo " Correntes Q...

arquivos

Dezembro 2006

Setembro 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Abril 2005

visitas

Anti-depressants

Blogstars

I Was Born To Love You

Friends Will Be Friends

These Are The Days of Our Lives